O Circo da Noite

Circo-da-Noite“Alguém precisa contar essas história. Quando batalhas são travadas, vencidas e perdidas, quando piratas encontram tesouros e os dragões comem seus inimigos no café da manhã acompanhados de uma bela xícara de chá, alguém precisa contar as próprias narrativas superpostas. Existe maga nisso. Está nas pessoas que ouvem, e será diferente para cada ouvido, e vai afetá-los de formas que nunca poderão prever. Desde o mundano até o mais profundo. Você pode contar uma história que passe a morar na alma de alguém , se transforme em seu sangue e seu propósito. Essa história vai motivar e impulsionar e quem sabe o que ela poderá fazer por causa disso, por causa das suas palavras. Esse é o seu papel, o seu talento.” Pg. 360

Eu li O circo da noite, por causa da Lu e de um comentário que o Alexandre deixou em um post aqui no blog, e não me arrependi. A obra é bastante singular, o ritmo foge do padrão frenético, alguns podem até argumentar que a narrativa é lenta e sem fluidez, mas para mim isso conferiu uma singeleza e um clima de suspense muito adequado à história.

Célia e Marco tem seus destinos traçados muito antes de se conhecerem, eles são criados por dois mágicos: Hector mentor e pai de Célia e Alexander, mentor de Marco, que os educam única e exclusivamente para participarem de um desafio de magia.

O palco da batalha entre os dois é o Le Cirque des Rêves (Circo dos sonhos), criação do visionário produtor Chandresh Cristophe Lefèvre, ele é concebido para ser um lugar mágico, misterioso e que assombre os espectadores com suas atrações sui generis. Não demora-se muito tempo para perceber que o circo é na verdade o personagem principal dessa história encantadora.

O foco narrativo não fica apenas em Célia e Marco, ou mesmo no circo, ele transita por uma miríade de personagens cativantes, como uma contorcionista japonesa, uma leitora de cartas de tarô, os gêmeos que nasceram no circo, o construtor de relógios e fã incontestável do circo, entre muitos outros. São várias coisas acontecendo ao mesmo tempo, e todas se entrelaçam na tessitura da melodia que embala essa história incomum.

Sem dúvida, O circo da noite é um livro singelo e peculiar que exige uma leitura atenta e apurada, mas que vale por sua aura de magia e extrema delicadeza. Ainda assim, concordo com a Lu e não indicaria a obra indiscriminadamente para todos, mas para alguns pode ser uma bela surpresa.

MORGENSTERN, Erin. O Circo da Noite. Tradução de Cláudio Carina. Rio de Janeiro: Intrínseca, 2012.

1 thought on “O Circo da Noite

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.